segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Duarte Gomes escreve sobre as leis do jogo. Lei 4

Publicamos o texto desta semana de Duarte Gomes sobre a Lei 4.

"Podem perguntar: mas esta é importante? Claro que é! Poderá, por exemplo, um jogador usar brincos, jogar de manga cava ou marcar um golo descalço? Essa e mais respostas, já a seguir...

Comecemos pelo mais importante: a segurança. Nenhum jogador pode usar equipamento ou artigos considerados perigosos para a sua integridade física ou para a dos restantes colegas de profissão.

Por exemplo, é proibido o o uso de qualquer tipo de jóia (nem é permitido que utilizem fita adesiva para a cobrir).

Para isso, todos os jogadores e suplentes são inspecionados ante do início da partida.
Na Liga Portugal, duas vezes: a primeira no seu balneário e a segunda, mais tarde, no túnel de acesso ao relvado.

Se algum deles, com o jogo a decorrer, for apanhado a infringir (por exemplo, usando um colar), deve retirar a jóia de imediato ou, caso não possa/consiga, deve então abandonar o terreno na interrupção seguinte, para o fazer.

Se a teimosia for muita e mantiver o artigo (geralmente por crenças religiosas ou supersticiosas), será advertido (já sabem que isso significa ver o amarelo).
Agora vamos a outro aspeto importante: qual é o equipamento obrigatório que deve ser utilizado?
Vejamos:
  • Camisola com mangas (sim, a manga cava é proibida);
  • Calções (os GR podem usar calças de fato de treino);
  • Meias (se usarem fita adesiva, devem ter a mesma cor da parte da meia que estão a cobrir);
  • Caneleiras (devem ser cobertas pelas meias e de material adequado, que ofereça grau de proteção suficiente);
  • Calçado (reparem, a lei não diz botas nem ténis).
Vamos às cores? Então é assim: as equipas devem usar cores que as distingam entre si e da equipa de arbitragem.

Os GR devem também usar cores diferentes dos jogadores de campo e dos árbitros (mas se as camisolas dos dois GR forem da mesma cor e não houver alternativas, o jogo disputa-se na mesma).

E quando está frio, muito frio?

As camisolas interiores são permitidas (obviamente). Devem é ser da mesma cor da cor predominante das mangas das camisolas.

Já os calções interiores / collants, também autorizados, devem ter a mesma cor da cor que predomina nos calções (ou da parte debaixo dos calções).

A ideia é não se ver, nas peças interiores, uma cor diferente que desvirtue a do equipamento original.

Imaginem, por exemplo, a Académica de Coimbra: habitualmente de preto, certo? Agora imaginem um dos seus jogadores a usar collants brancos e camisola interior vermelha.

Destoava, certo?

Já agora, as roupas interiores de cada equipa devem ser todas iguais, ou seja, se o Jogador Y usar uma cor de calças interiores, todos os outros devem usar a mesma.

Outro aspeto importante: proteção. O futebol moderno, mais rápido e físico, trouxe a necessidade de criar equipamentos para evitar lesões.

A lei permite que protetores de cabeça (que têm regras específicas), máscaras faciais, joelheiras e até cotoveleiras possam ser utilizadas, desde que sejam feitas de material aprovado e não sejam perigosas.

Aplica-se esse princípio ainda aos bonés dos GR ou aos óculos desportivos.

Nota ainda para o facto de ser proibida a utilização de qualquer sistema de comunicação entre jogadores (suplentes, substituídos e expulsos incluídos) e equipa técnica.

Por outro lado, podem usar sistemas eletrónicos para monitorizar desempenhos desde que não sejam perigosos nem recebam/deem informações durante o jogo.

Mais. O equipamento dos jogadores - e a roupa interior - não podem conter slogans, mensagens ou imagens políticas, religiosas ou pessoais. Se isso acontecer, o árbitro não mostra cartão. Apenas reporta-o depois no seu boletim de jogo.

Por último, o que deve fazer o árbitro quando acontece uma infração à Lei 4?
Na prática, o jogo não deve necessariamente interrompido para um jogador corrigir o seu equipamento. O árbitro deve:
  1. Instruí-lo a deixar o terreno, de forma a corrigir o equipamento;
  2. Obrigá-lo sair na interrupção seguinte, a menos que ele já o tenha entretanto retificado.
Quando o jogador sair por esse motivo, só pode regressar após ser vistoriado por qualquer elemento da equipa de arbitragem e com autorização do árbitro (que agora já pode ocorrer com o jogo a decorrer).

Se assim não for, o jogador que entrou incorretamente será advertido.

Pergunta de teste: pode um jogador marcar um golo com um dos pés descalços?
  • Se perder a bota (ou caneleira) acidentalmente, ou seja, por ação do jogo, deve corrigir logo que possível essa situação (o mais tardar, na interrupção seguinte). Mas se, antes disso, jogar a bola e marcar... o golo é válido!
Pois. É isso.

Boas leituras e bons estudos. Ficam a faltar treze. Para a semana, falaremos aqui da Lei 5."




Se quiser ler sobre as outras leis poderá fazê-lo aqui:

Sem comentários: